Archive for the 'Hipertensão Pulmonar' Category

O Cateterismo é Imprescindível

2 de janeiro de 2011

O médico pergunta

             – Algum problema sobre o procedimento de amanhã?

Eu respondo:

           – Sim, um problema. Para você ele é cate, para mim ele é Senhor Doutor Cateterismo.

O médico diz:

         –  Pode ficar tranqüila, para você, amanhã, ele vai ser cate também.

E foi assim mesmo que aconteceu.

Difícil foi agüentar o nervosismo, ficar uma hora e meia sem poder se mexer, saber que estavam enfiando dois tubos dentro do meu corpo, agüentar a cãibra que deu na minha perna no final do procedimento, não entender o vocabulário médico e assim não fazer a menor idéia do que estava acontecendo.

Minha grande sorte foi ter uma anja naquela sala. Ela não me abandonou por nenhum momento, fazia carinho em mim e me explicava tudo todo o tempo.

Depois foi só a espera de 5 horas sem mexer a perna e mais 24 horas para retirar o curativo e tudo deu certo. Nada sangrou o infeccionou.

Quem viu disse que são dois pontinhos praticamente invisíveis na virilha. Eu quero mais é esquecer que isso existe.

O cateterismo é a única forma de ter certeza da medicação ideal a ser tomada em cada caso. Também é pré-requisito para se obter a medicação.

 

A diferença entre o cateterismo e outros exames, como o eco-cardiograma, é que o cateterismo mede a pressão pulmonar de forma contínua, possibilitando que variações sejam vistas.

Anúncios

Banho com segurança

29 de dezembro de 2010

Evite banhos longos mesmo que pareça uma idéia quente e maravilhosa.

Banhos quentes removem os óleos hidratantes naturais da pele deixando-a seca e com coceira. Ao invés, tente banhos curtos.

Banhos quentes, sauna e vapor não são benéficos para a circulação sanguínea de pacientes com Hipertensão Pulmonar.

  • Se for difícil tomar banho a melhor solução é uma banquinho. Existem banquinhos à prova de água que cabem na banheira. Pode ser removido facilmente e se tornar um belo assento quando estiver fazendo o pé ou secando suas pernas e pés.

Um robe longo e felpudo pode diminuir o trabalho de se secar.

Se o excesso de umidade te incomodar deixe a porta do banheiro aberta ou certifique-se do uso do exaustor no banheiro. Se você se sente fraco não tome banho sozinho.

Fazer a barba ou se maquiar é mais fácil se você tem um espelho baixo e pode fazer isso sentada.

Umidade pós-banho pode fazer com que algumas pessoas sintam falta de ar.

Queda de Cabelo

28 de dezembro de 2010

Comecei a perceber que meu cabelo estava caindo muito. Resolvi ir ao cabeleireiro para dar uma fortalecida. Segundo ele, a queda poderia ser comum nessa época do ano. Logo no dia seguinte, fui até a minha médica que fez o comentário óbvio: “Você cortou cabelo!”, então contei para ela sobre a queda.

A informação que ela me passou era que a queda de cabelo era algo que deveria ser observado, uma vez que muitos pacientes dela que estavam fazendo uso do anticoagulante marevan haviam reclamado.

Apesar do meu anticoagulante ser o marcoumar, ao chegar em casa, resolvi ler a bula. Vi que realmente a queda de cabelo era algo que poderia ocorrer.

Não é o caso de pensar em panos e em perucas. Ocorre apenas a queda de cabelo, mas não há o perigo de ficar careca ou ocorrer uma queda acentuada.

Abaixo vão algumas dicas que podem ajudar:

1 – Se você tiver essa tendência, evite submeter-se a longos tratamentos no salão e só use produtos de boa qualidade.

2 – Evite, dentro do possível, usar secadores. Ou use-os a uma distância prudente do cabelo, deslocando o aparelho em círculos para que o ar quente não se concentre em uma região.

6 – Você pode lavar o cabelo todos os dias. Isso faz o cabelo cair.

7 – O xampu deve ser usado em pouca quantidade e uma vez por dia.
Escolha um xampu que dê o melhor resultado no seu cabelo e use apenas esse.
Use produtos específicos para o seu tipo de cabelo. Consulte o dermatologista antes.

8 – Alguns costumes cotidianos também contribuem para a queda do cabelo, como o uso de rabo-de-cavalo, elásticos e fivelas que fazem muita pressão.
Reduza o tempo em que o cabelo fica preso.

9 – Os pentes finos e pontiagudos ou as escovas duras raspam o couro cabeludo e arrancam cabelos embaraçados.
Se o seu cabelo tem tendência a ficar embaraçado, use um condicionador, mas só nas pontas, para evitar a queda de cabelo.

10 – Não seque o cabelo de forma brusca esfregando com a toalha, pois é molhado que ele pode quebrar mais. Além disso, nesse momento os poros estão abertos e a queda é mais fácil.
O melhor a fazer é pressionar a toalha suavemente sobre o cabelo para absorver a água.

SOS Emergência

20 de dezembro de 2010

Preparação e prevenção são as chaves para minimizar os problemas potenciais e evitar emergências. Descubra como se preparar e preparar os outros para uma situação de emergência.

Lembre-se: O mais importante é sempre estar um passo à frente na emergência.

  1. Não tome anestesia geral sem consultar o seu médico.
  2. Tenha informações de emergência à mão. Você e seu cuidador podem ser os especialistas nos momentos de crise
  3. Programe o seu celular para que ele trabalhe para você.
  4. Vista sua hipertensão pulmonar com orgulho. Tenha um bracelete com informações de emergência (seu nome, telefone, médico/centro de tratamento, qual medicamento você toma – ou, pelo menos, um indicativo que você tem hipertensão pulmonar). 

Situações de emergência

Como a hipertensão pulmonar é uma doença rara, muitos hospitais, médicos e enfermeiras podem não entender completamente a sua condição. Ter conhecimento e estar preparado é uma boa estratégia para se prevenir de emergências e garantir sossego para se preocupar menos e viver mais!

O que é uma emergência?

A coisa mais importante numa situação de emergência é comunicar o que está acontecendo e buscar o contanto com o seu médico.

Uma situação potencial de emergência incluí:

  • Febre alta e prolongada – especialmente se você possui um cateter.
  • Síncope/ pré-síncope.
  • Tossir sangue
  • Tossir muco colorido
  • Dor no peito
  • Batimentos cardíacos rápidos ou irregulares
  • Falta de ar (além do normal)
  • Retenção de fluído (além do normal)
  • Pele escura – especialmente se fizer uso de anticoagulante.

Conversando com o seu médico.

 

  • O cuidado da sua saúde é uma parceria entre dois especialistas – o médico e você.
  • Seja o seu melhor advogado.
  • Seja corajoso. Não tenha medo de fazer perguntas. Não tenha medo de dizer que não entende.
  • Entenda que para algumas perguntas pode não haver respostas.
  • Seja um bom paciente: Esteja preparado para as suas consultas com uma lista clara dos seus sintomas, você não tem que saber o termo correto, mas tente ser descritivo e conciso para comunicar o que você está vivendo. O seu médico, provavelmente, não consegue ler mentes. Você tem que dizer a ele o que está incomodando você.
  • Pesquise sobre a sua condição se possível.
  • Tenha uma lista de perguntas, escreva-as se você precisa para lembrá-las.
  • Use o tempo de atendimento com sabedoria.
  • Carregue uma lista com todos os seus medicamentos, incluindo porque você os toma, quando começou e se descontinuou algum medicamento recentemente. Se não estiver funcionando, vale a pena tentar algo diferente.
  • Tem alguém para ir com você nas consultas e ser o seu advogado e olhar por você se você estiver inconsciente ou não podendo falar.
  • embre-se que os profissionais da saúde também são pessoas que cometem erros como qualquer outra pessoa.

 

Aposentadoria

15 de dezembro de 2010

O primeiro passo é ingressar com pedido de auxílio-doença, no Ministério da Previdência Social. Os pacientes de HAP precisam de fato comprovar 12 meses de contribuição, mas caso a hipertensão pulmonar seja em decorrência de cardiopatia grave, é possível conseguir o auxílio-doença mesmo sem ter como comprovar o período de contribuição.

Aqueles que possuem emprego formal, ou seja, com carteira assinada, devem procurar ajuda do departamento de pessoal, pois alguns documentos terão de ser fornecidos pela empresa. O empregador é obrigado a pagar o salário pelos primeiros 15 dias de afastamento. No 16º, o pedido deve ser encaminhado pelo paciente à Previdência.

O site do Ministério traz as orientações necessárias no endereço: http://www.dataprev.gov.br/servicos/auxdoe/auxdoe.htm. Nesta página, além de informações, há os links: “Requerimento” e “Ajuda”. O tópico “Ajuda” é de fato bastante útil. Em “Requerimento”, é possível preencher o pedido do auxílio-doença, inclusive podendo escolher a agência da Previdência Social de sua preferência para realização do exame médico pericial e entrega da documentação.

Caso o paciente não tenha condições de ir até a agência da Previdência, peça a um parente para ir em seu lugar para solicitar uma perícia domiciliar. Só não esqueça de levar os documentos e também um laudo médico que explique a impossibilidade de locomoção.

Aposentadoria por invalidez: http://www.mpas.gov.br/conteudoDinamico.php?id=18

Aposentadoria precoce pode aposentar também sua memória

Pesquisa em 13 países sugere que quanto mais cedo uma pessoa se aposenta, mais rapidamente sua memória entra em declínio. Os dois economistas chamam seu artigo de “Aposentadoria Mental”.

Se as pessoas querem preservar suas habilidades de memória e raciocínio, elas precisam se manter ativas. Segundo os pesquisadores não adianta fazer Sudoku o palavras cruzadas, porque assim você estará se tornando um especialista apenas nessas atividades.

Porém, muitos dizem que o estudo, apesar de convincente, precisa ser levado a diante.

Auxílio-Doença

14 de dezembro de 2010

O auxílio doença é um benefício concedido ao segurado impedido de trabalhar por doença ou acidente. 

Para concessão de auxílio-doença é necessária a comprovação da incapacidade em exame realizado pela perícia médica da Previdência Social.

Para ter direito ao benefício, o trabalhador tem de contribuir para a Previdência Social por, no mínimo, 12 meses (carência). Esse prazo não será exigido em caso de acidente de qualquer natureza (por acidente de trabalho ou fora do trabalho) ou de doença profissional ou do trabalho.

Terá direito ao benefício sem a necessidade de cumprir o prazo mínimo de contribuição e  desde que tenha qualidade de segurado quando do início da incapacidade, o trabalhador acometido de tuberculose ativa, hanseníase, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, doença de Paget em estágio avançado (osteíte deformante), síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), contaminação por radiação (comprovada em laudo médico) ou hepatopatia grave.

Não tem direito ao auxílio-doença quem, ao se filiar à Previdência Social, já tiver doença ou lesão que geraria o benefício, a não ser quando a incapacidade resulta do agravamento da enfermidade.

O trabalhador que recebe auxílio-doença é obrigado a realizar exame médico periódico e, se constatado que não poderá retornar para sua atividade habitual, deverá participar do programa de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade, prescrito e custeado pela Previdência Social, sob pena de ter o benefício suspenso.

Quando o trabalhador perder a qualidade de segurado, as contribuições anteriores só serão consideradas para concessão do auxílio-doença se, após nova filiação à Previdência Social, houver pelo menos quatro contribuições que, somadas às anteriores, totalizem, no mínimo, a carência exigida (12 meses).

O auxílio-doença deixa de ser pago quando o segurado recupera a capacidade e retorna ao trabalho ou quando o benefício se transforma em aposentadoria por invalidez.

A empresa poderá requerer o benefício de auxílio-doença para seu empregado ou contribuinte individual que lhe preste serviço e, nesse caso, terá acesso às decisões referentes ao benefício.

Eu consegui o beneficio, o que aliviou e bastante as minhas preocupações com os gastos para reabilitação da minha saúde, me encontro em idade ativa e quando a gente está em idade ativa e não desvolve essa atividade é muito ruim, pelo menos eu sei que de acordo com a lei e com os peritos eu tenho que ficar afastada do trabalho por enquanto, eles  me mantiveram fora do mercado.

Não é necessário estar empregado para requerer, quando eu pedi o auxílio estava desempregada.

Para maiores informações é só acessar o site: www.previdenciasocial.gov.br