Archive for the 'Lutas Pessoais' Category

“Eu nasci para o desastre, porém com sorte”

30 de dezembro de 2010

Sociólogo – ativista dos direitos humanos brasileiro. Concebeu e dedicou-se ao projeto “Ação da Cidadania contra a Fome”.

Símbolo da determinação e do trabalho incansável pela cidadania, pela restauração da verdadeira democracia participativa, pela valorização da solidariedade e dos direitos humanos em uma sociedade injusta.

Passou a vida luta contra a morte e em favor da democracia social e econômica.

Herdou a hemofilia da mãe. Em 1986 descobriu ter contraído o vírus da AIDS em uma das transfusões de sangue que era obrigado a se submeter devido a hemofilia. Em sua vida pública esse fato repercutiu na criação de movimentos  de defesa dos direitos dos portadores do vírus. Junto com outros membros da sociedade civil, fundou e presidiu até a sua morte a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Não deixou de ser ativo até o final de sua vida, dizendo que sua condição de soropositivo forçava a “comemorar a vida todas as manhãs”.

Em 88, após a morte do irmão Chico Mário, Betinho se confessa desesperançado.

Morreu em 1997, já bastante debilitado pela AIDS

O Tempo não Pára

16 de dezembro de 2010

Talvez, um dos grandes ícones do Brasil seja o poeta Cazuza, afinal quem não é um pouco exagerado, às vezes não se sente um meno abandonado, gostaria de gritar “Brasil, mostra a tua cara!”, algum dia precisa dizer que ama alguém e depois assinar com o codinome beija-flor.

Porém, Cazuza não teria surgindo se ninguém o carregasse no ventre. Aproveitando o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, acredito que não seja mais que merecido homenagear alguém que não só sentiu os efeitos da Aids de perto, mas que luta contra essa doença até hoje.

Apesar de ser assim mais conhecido seu nome é mesmo Maria Lúcia Araújo. Nasceu dia 2 de agosto de 1936 em Vassouras. É casada com o produtor musical João Araújo, fundador da gravadora Som Livre e mãe do cantor e letrista Cazuza.

Lucinha também é fundadora e presidente da Sociedade Viva Cazuza, uma instituição que cuida e oferece assistência a crianças com AIDS, sendo fundada no ano de 1990 após a morte de seu filho, em ocorrência da mesma doença. Lucinha também é co-autora dos livros Cazuza, Só as Mães São Felizes e Cazuza, Preciso Dizer que Te Amo. No ano de 2004, foi interpretada pela atriz Marieta Severo no filme Cazuza – O Tempo Não Pára. No especial Por Toda a Minha Vida em 2009, ela foi vivida por Lígia Cortez.

Eu, portadora: Minha vida e a Hipertensão Pulmonar

30 de novembro de 2010

Essa história começa com uma viagem para a praia em pleno feriadão. Após a chegada ao destino e longa horas de trânsito, pensei que o inchaço no meu tornozelo fosse em decorrência desse esforço. O tempo foi passando, o inchaço aumentando e a barriga também inchou. Ficou tudo meio estranho, mas pra que se preocupar? Ah! Não há de ser nada!

No mês seguinte, veio o cansaço ao realizar pequeno esforço físico, como levar a roupa até a lavandeira e os desmaios.

A partir daí foi um medo incontrolável de não poder mais viver, medo da vida estar sento tirada aos poucos e eu, tão jovem, assistindo consciente dia-a-dia a minha transformação numa pessoa inútil.

Todo o medo tem que ter um nome. Quando uni forças fui à busca do nome desse meu medo e encontrei: “Hipertensão Pulmonar”.

A notícia boa foi que não morreria, não tão cedo como quanto eu estava prevendo, mas para isso se tornar realidade a minha vida e os meus sonhos teriam que passar por uma adaptação.

Busquei primeiro ajuda no Instituto Dante Pazanesse, em São Paulo. O Dante é um grande complexo, é preciso um mapa para não se perder lá. Acredito que, se eles entregassem um mapa no momento da sua entrada, eu e meu irmão não teríamos demorado tanto para achar o local da consulta. Saí de lá com o pedido para vários exames e o retorno marcado para dalí dois meses.

Porém dois meses acabou sendo muito tempo e acabei inchando demasiadamente devido a prescrição de quantidade de diuréticos não suficiente, então decidi buscar ajuda aqui em Campinas. Foi assim que passei de cobaia para paciente, pois no Dante a intenção era que eu testasse um novo medicamento.

Como o inchaço (ou anarca) era bem grande (5 cruzes)dei entrada no Centro Médico de Campinas onde recebia Lasix intravenoso. Foi assim que a Copa do Mundo de Futebol de 2010 marcou a minha vida, ela foi a minha grande companheira em todos os momentos hospitalares. Foi, para mim, a Copa do Mundo Solidária.

Com a diminuição do inchaço transferi para Unicamp e lá realizei o cateterismo, procedimento necessário para o recebimento do tratamento.

Agora, posso levantar orgulhosa e dizer: “Eu tenho um CID” (Código Nacional de Doenças).  Na verdade, o CID não é apenas um número, e sim muito importante na hora do portador de HP exigir seus direitos.

Essa história é recente. Faz um ano que tudo começou. O tratamento começou três meses atrás. Os resultados ainda estão sendo analisados.

A vida só está mesmo mais vagarosa. Os problemas pouco a pouco estão diminuindo.